Rua Apinajés, 1053 - Sala 2 (Perdizes) São Paulo - SP. - Tel: DDD(11) 4324-0343 / 3976-5711

ASATRU - A RELIGIÃO DOS POVOS NÓRDICOS

Ásatrú é o nome moderno para uma antiga religião, cujas origens remontam à idade da pedra. Na Era do Touro, por volta de 4.350 a.C, o homem deixava de ser nômade para se transformar em lavrador. A energia fecundadora da terra desafiou a compreensão do homem primitivo, que via no milagre da procriação da vida algo de divino, que somente as fêmeas podiam reproduzir. Então conceberam a terra como um ser dotado de alma e consciência própria "Nerthus" a "Mãe Terra". Surgia assim a religião primordial européia, como uma crença Matrifocal e Xamanística. Porém essa religião não permaneceu inalterada, como uma fé viva, evoluiu e se adaptou às necessidades espirituais dos povos daquela época até a Era Viking, sem perder no entanto, o vínculo com suas antigas raízes.

Em nórdico arcaico Ásatrú significa "Verdadeiro para com os Aesir", entretanto, o Ásatrú não era praticado apenas pelos Aesir, mas também pelos Vanir e por alguns povos da progênie Jotnar. Este nome foi dado aos Islândeses quando estes conseguiram o reconhecimento legal em 1972. O Godhi ( sacerdote, chefe ) Islândes e Skald ( poeta ), conhecido como Alhesargodhi Sveinbjorn Betteinsson, liderou os Asatruares do primeiro grupo Heathenista legalmente reconhecido na Islândia há aproximadamente um milênio, na época do reconhecimento oficial pelo Parlamento Islândes ( Althing ) do Ásatrú como uma religião válida e verdadeira. "Trú" também significa Fidelidade, Fé ou Confiança.

HISTÓRIA
O Ásatrú foi por muito tempo a religião de diversos povos do Norte da Europa. Escandinavos (Dinamarqueses, Noruegueses, Suecos e Escandinavos), Frisios, Húngaros, Anglo Saxões (ancestrais, juntamente com os Gaelicos, dos Ingleses), os Teutões (predecessores dos Alemães), os ancestrais dos Holandeses, os Godos (Visigodos, Ostrogodos, etc), os Eslavos, Longonbardos e os Russos. Suas raízes são Indo-Europeias e isto significa que tem as mesmas raízes das religiões e culturas dos Celtas e Hindus. Apesar das falsas alegações sem nenhuma prova acadêmica ou evidência arqueológica de supostas Tradições Familiares e linhagens ininterruptas, a religião foi totalmente obliterada por uma campanha genocida e violenta praticada pelo antigo Cristianismo. Os Antigos Nórdicos eram povos fortes, mas mesmo com uma intensa tradição cultural, não intencionavam converter outros povos às suas crenças. O declínio do Ásatrú começou mesmo antes do fim do Século VI, quando as novas religiões de origem Cristã, estavam em franca expansão na Europa. Um pequeno grupo de missionários cruzou o Canal do grande continente para as ilhas britânicas trazendo a fé Cristã para Kent.

Os Padres Cristãos trabalharam intensamente na parte ocidental da Bretanha e substituíram os templos dos deuses heathenistas por pequenas igrejas de madeira, tijolos e pedras. Cruzes esculpidas se ergueram em toda parte em nome da fé cristã. Por volta de 731 da Era Comum, um cristão "brilhante" no novo monastério de Jarrow no norte da Inglaterra, conhecido como o venerável Bede, se dispôs a escrever um livro cobrindo o crescimento da Nova Fé de uma ponta a outra da Inglaterra. Apesar de a religião heathenista não estar ainda morta na Bretanha, seus dias estavam contados. No continente, muitos dos Germanos já haviam rejeitado os velhos deuses ( ou convertidos sob a ponta da espada em óbvias ameaças de morte desta nova "religião de amor" ), com poucas exceções como os Saxões, os Frisios e os Dinamarqueses. Por volta dos séculos X e XI o povo da Noruega se converteu por influência dos Reis Cristãos, Olaf Tryggvarsson e Olaf-o-Sagrado. Estes dois batalharam sem cessar contra os deuses heathenistas, esmagando seus ídolos, queimando seus templos, expulsando seus seguidores ou expondo estes a mortes dolorosas em nome de Cristo.

Alguns daqueles que foram expulsos, se estabeleceram na Islândia, aonde não havia reis, e portanto não havia perseguições. Mas mesmo na Islândia, as chamas do heathenismo estavam se apagando, e no ano 1000 da Era Comum, O Parlamento ou Assembléia Islândesa, sob pressão de diversos reis cristãos da Escandinávia através de ameaças de guerra, e boicote do comércio, tornaram o Cristianismo a religião oficial da Islândia, mas com muito mais tolerância para com a Velha Religião, aonde as escrituras e imagens não foram esmagadas ou destruídas.

Em 1015, a Dinamarca também esqueceu suas velhas raízes, quando Canute O Dinamarquês conquistou a Inglaterra e preparou-se totalmente para se tornar um pilar da Igreja Cristã. Os Suecos foram os mais teimosos em sua fé na religião heathenista, mas por volta de 1164, um bispo Cristão governou em Uppsala, o antigo forte de Odin e FreyR, e destruiu o Antigo Templo de Uppsala construindo no lugar uma Igreja Cristã, que ainda existe atualmente e é vista hoje em dia, como um monumento amaldiçoado, em memória ao genocídio praticado pelo Cristianismo a todos os predecessores do Ásatrú.

Como uma religião etno-cultural, Ásatrú foi parte da cultura, e mais do que isso, parte da alma dos povos norte europeus, e não morreu realmente. Ela sobreviveu entre as comunidades Góticas, e Anglo-Saxãs em um sincretismo com o Cristianismo e o Heathenismo chamado de Arianismo Católico, e mesmo os Cristãos Islândeses ainda respeitavam os espíritos da terra que foram os Landvaetter. Entretanto tal religião foi perseguida e completamente exterminada pelos Agentes da Igreja Cristã como uma religião herética e este parecia ser o fim do culto Aesir no Norte da Europa.

Entretanto a tirania cristã não durou para sempre. A Era das Trevas, quando a Cristandade esteve em total domínio político, terminou com a Renascença, e na Era Moderna, a humanidade pode ver novamente uma nova luz de liberdade. O maior e mais importante tributo ao fim de tal escuridão foi quando o ultimo rei cristão da França foi decapitado e alguém gritou na multidão:

"Jacques de Molay - Teu sangue está vingado!!!"

(A Coroa Cristã Francesa foi uma das piores inimigas do heathenismo e da Civilização Viking).

Durante o inicio do Século XX, o Partido Nacional Socialista na Alemanha sob a Liderança de Adolf Hitler e com a aprovação do Papa, tentou perverter o Ásatrú tomando parte de seus símbolos religiosos nas crenças racistas Nazistas. Tal blasfêmia morreu ao findar a Segunda Guerra Mundial, apesar de alguns grupos neo-nazistas estarem ainda hoje tentando continuar com tais práticas.

Esta atividade não está de nenhum modo relacionada com a restauração do Ásatrú como o Culto Aesir em sua Antiga Glória!

Cada estudo runológico feito na Alemanha do Século XIX e XX esteve manchado com elementos não tradicionais, misturados com elementos teosóficos e do extremismo racista, resultando em um esoterismo germânico nazista não tradicional praticado por pessoas como Guido Von List.

E como sempre, a Islândia teve um papel importante na restauração do Ásatrú. Eles preservaram suas escrituras e lendas das mãos danosas da inquisição cristã e em 1972, o Sacerdote ( Godhi ) e Poeta ( Skald ) Sveinbjorn Betteinsson, após muita pressão política no parlamento Islandês ( thing ), conquistou reconhecimento legal do Tradicionalismo Religioso Nórdico Pre-Cristão como religião válida e a nomeou Ásatrú, que significa: Fé, Confiança ou Lealdade para com os Deuses!

SISTEMA DE CRENÇAS
Ásatrú é uma religião Etno-Cultural.
Religiões Etno-Culturais são a forma mais sublime de expressão da cosmologia, visão de mundo, espiritualidade e Cultura de um povo. A cultura é o elemento mais importante de um povo ou nação e é de fato a alma desta nação. Outros exemplos de Religiões Etno-Culturais são o Hinduismo, Druidismo, Judaísmo, Taoismo, Vodu, Candomblé e Shintoismo

As comunidades religiosas Ásatrú são chamadas de Kindreds ou Hearths. "Padres" ou sacerdotes são chamados de Gothi (Godhi, Goði ou Goþi), e as "Madres" ou sacerdotisas são chamadas de Gythia (Gydhia, Gyðia ou Gyþia).

Lenda da Criação
Da mesma forma que as demais religiões o Ásatrú também tem a sua versão para a criação do universo. Um poema Volüspá ( Profecia da Vidente ), conta a estória da criação da seguinte maneira:

"Entre Muspelheim ( A Terra do Fogo ) e Niflheim a terra ou ( País do Gelo), havia um espaço vazio chamado Ginnungigap. Fogo e gelo moveram-se em direção um ao outro e quando colidiram, o universo passou a existir. Odin, Vili e Vê, antes de criar o mundo, tiveram que matar um gigante cuja presença preenchia todo o universo, seu nome era Ymir e era o pai de toda prole Jotnar, que se portava muito destrutivamente. Com o corpo de Ymir, fizeram a terra, com seu sangue, fizeram o mar, com seus pelos, fizeram as árvores, com seu crânio, fizeram a abóbada celeste ou o universo, aonde repousam as estrelas, e com seus miolos, fizeram as nuvens no céu. Com os cílios de Ymir, fizeram um grande cercado em torno de nosso mundo chamado de Midgard, do qual mantém de fora os Thurses, ou seres de fora de nosso mundo, cuja natureza é destruidora e nociva."

O Homem
Para o Ásatrú, a humanidade é literalmente descendente dos Deuses. Conta a lenda que uma deidade, Rig, visitou a terra e foi o pai da raça humana. Os Deuses deram o OdreidthR ( o êxtase ) de presente aos seres humanos para os diferenciar dos outros animais, e também para ser a ligação eterna entre os homens e os Deuses.

Valores de Vida
Seguem as "Nove Nobres Virtudes": Coragem, Verdade, Honra, Fidelidade, Disciplina, Hospitalidade, Labor, Auto-Confiança ( Independência ) e Perseverança.

Família
A família é muito valorizada e honrada. Rejeitam qualquer forma de discriminação baseada em etnia, sexo, linguagem, nacionalidade, raça, orientação sexual, ou "outro critério separativo".

Moralidade
O Ásatrú de fato não tem um conjunto definido de Mandamentos, mas uma não definida moralidade heróica. Possuem entretanto, alguns elementos que poderiam ser considerados como conduta virtuosa e que levariam à admiração a nossa sociedade moderna. Honra, Coragem, Realidade em vez de Aderência a um Dogma, Lealdade para com a família, sua comunidade e Deuses. Em vez de Sincretismo e tradição; prazer, modéstia e compaixão.

Ásatrú e Ecologia
Para o Ásatrú, a Natureza é extremamente sagrada. Consideram a terra como a mãe que nutre a vida com os frutos vindos dos seu seio. Respeitam os animais, e não os matam indiscriminadamente só para se divertir, nem para fins religiosos. Pois os animais mortos em sacrifícios rituais, não são destruídos completamente pelo fogo, são assados, consumidos e apenas compartilhados com os Deuses. Os Povos Nórdicos se retiravam freqüentemente para as florestas, em busca do sagrado. Para eles, cuidar da natureza é cuidar do corpo de Nerthus e do bem estar de Jord.

OS DEUSES NÓRDICOS
As crenças do Ásatrú são politeístas, Zoomórficas, Antropomórficas e Animistas, como a maioria das religiões Indo-Européias em sua forma original. O Ásatrú, como religião politeísta, cultua três tribos divinas ou "Panteões de Divindades"

Os Aesir
São os Deuses da tribo ou clã, representando a Realeza e a Ordem.

Os Vanir
São Deuses associados ao clã mas que não fazem parte deste, representam a fertilidade da terra e as forças da natureza.

Os Jotnar
São Deuses, mas que são referidos como gigantes. Representam o caos e a destruição. Estão constantemente em guerra contra os Aesires em uma batalha chamada Ragnarok ( O crepúsculo dos Deuses ), em que muitos dos Deuses irão morrer, o mundo chegará ao seu fim e renascerá.

O PANTEÃO NÓRDICO

ODIN
Principal Divindade Viking. Pai de todos os deuses, protetor dos poetas, dos guerreiros e dos estadistas. Deus da Morte, da Guerra e da Magia. Governante de Asgard e de Midgard. Empunha a lança Gungnir, que nunca erra o alvo e que no cabo, tem runas gravadas, que ditam a preservação da lei. Cavalga um garanhão negro de oito patas, de nome Sleiphir, seguido por seus dois lobos de estimação: Geri e Freki. Conquistou as runas para a humanidade através de um ato de sacrifício pessoal e trocou seu olho direito por sabedoria. Odin era celebrado às quartas-feiras, e por isso, este dia ficou conhecido como Odinsday, que depois, tornou-se em inglês a Wednesday ( quarta-feira ). O possível análogo de Odin na mitologia Grega é Zeus, por se tratar do Deus dos deuses. Em muitas lendas da mitologia nórdica, como nas baladas épicas Vafþrúðnismál e no Grímnismál, Odin se apresenta sob o disfarce de um viajante baixo e de cabelos escuros, envolvido numa enorme capa azul ou cinza, com um chapéu de abas largas, quebradas acima do olho perdido e o outro olho negro faiscante à mostra.

FRIGGA
Friga ou Frigg, esposa de Odin, Deusa da Fertilidade, versão nórdica da Mãe Terra. É associada a Nerthus ( Idade do Bronze ). É conhecida por sua sabedoria e por nunca revelar seus segredos a ninguém, nem mesmo a Odin, seu esposo. Frigga se apresenta como uma mulher madura e majestosa, com os cabelos da cor das folhas de outono, trançados e presos em forma de coroa com faiscantes pedras preciosas lapidadas como estrelas. Suas vestes são simples, mas sempre usa um colar de âmbar e um cinto dourado com várias chaves penduradas. Às vezes porta um manto de penas (de cisne ou falcão) representando seu dom de metamorfose para sobrevoar os nove mundos do cosmos nórdico. É representada por uma sacerdotisa nua de cabelos longos, usando um torc (colar de ouro) e pulseiras nos braços e pernas. Suas possíveis análogas na Mitologia Grega são Hera, por se tratar da mulher de Zeus e Deusa dos Partos, ou Gaia, por se tratar da Mãe Terra, a fertilidade em pessoa.

THOR
Deus do trovão, filho de Odin. Thor é invocado nas magias rúnicas como força vingadora. Casou-se com a Deusa Sif, do trigo. É com certeza o Deus mais conhecido do Ásatrú. Isso devido, é claro, ao famoso desenho de nome "Thor, o Deus do Trovão". Na verdade, Thor não era apenas o Deus do Trovão, mas também o Deus da Chuva, do Relâmpago e da Vingança. Ele era o melhor entre todos os guerreiros de Asgard, mas não era o Deus da Guerra, nem dos Guerreiros. Empunhando seu mítico martelo de pedra chamado Mijollnir, ele era invencível em qualquer batalha. Os guerreiros Vikings costumavam usar réplicas em miniatura do Mijollnir penduradas em seus pescoços durante as batalhas, pois acreditavam que assim também seriam invencíveis, como o deus. Apesar disso, Thor era o menos inteligente de todos os deuses. O possível análogo de Thor na Mitologia Grega é Apolo, por ser filho de Zeus, bem como Thor é filho de Odin, além disso, Apolo é o Deus do Sol, e Thor também é Deus de entidades celestes.

BALDUR
Baldur ou Balder, também conhecido como: Baeldaeg, é uma divindade da mitologia nórdica. Deus do Sol, do Verão, da Justiça e da Sabedoria. Irmão de Thor e o mais eloquente dos deuses. Segundo algumas lendas, Baldur seria filho de Odin e Frigga, segundo outras seria apenas um "protegido" do casal divino e que embora Baldur não pertencesse ao núcleo de deuses superiores, os Aesir, vivia em Asgard. Baldur é marido da bela Nana, uma deusa benevolente e bela, que se atirou em sua pira funerária para habitar em Hel com seu marido. São pais de Forseti, uma divindade da justiça, que alguns dizem presidir as Things (assembleias dos homens livres). Dos Deuses do sexo masculino, Baldur é o mais jovem e considerado o mais bonito. Balder disseminou a boa vontade e a paz em todos os lugares que visitou, o que fez dele um dos deuses mais amados. Sua radiante belesa, popularidade e bondade inata provocou a inveja e ira de Loki. Conta a lenda que Loki enganou o deus cego Hodur, induzindo-o a lançar uma flexa envenenada em direção à Baldur, matando-o. Uma alegoria à eterna luta entre luz e trevas, o deus do Verão é assassinado pelo deus do Inverno

LOKI
Filho de Odin, irmão de Thor é o Deus do fogo, da trapaça e da travessura, também está ligado à magia e pode assumir a forma que quiser. Loki tem descendência dos povos gigantes e não pertence aos Aesir, embora viva com estes em Asgard. É frequentemente considerado o símbolo da maldade, traiçoeiro, de pouca confiança; e, embora suas artimanhas geralmente causem problemas a curto prazo aos deuses, estes frequentemente se beneficiam, no fim, das travessuras de Loki. Ele está entre as figuras mais complexas da mitologia nórdica, entretanto, ele é respeitado por Thor por tê-lo ajudaddo a recuperar seu martelo Mjölnir, roubado pelos gigantes, e também por ter recuperado um dos artefatos mais preciosos dos deuses - a própria Mjölnir, a lança de Odin. Loki era considerado ao mesmo tempo um deus do bem e do mal. Era conhecido com o trapaceiro de Asgard, pois sempre tentava enganar os outros deuses. Segundo as lendas nórdicas, Loki comandará um exército contra os deuses de Asgard no Ragnarok, uma espécie de "apocalipse nórdico".

TYR
Tiwar, para os povos germânicos. Deus da guerra, dos Guerreiros, do Combate e patrono da justiça. Filho de Odin, segundo umas fontes, e filho do gigante Hymir, segundo outras. Tyr é um deus germânico, do céu, da luz, dos juramentos e por isso patrono da justiça. Tyr foi a divindade da guerra do Panteão Nórdicoe um dos doze grandes deuses do Asgard. Era o líder do exército dos deuses, apesar de não ser considerado o melhor guerreiro, Tyr era muito celebrado principalmente pelos soldados profissionais, e seu dia era a terça-feira, que ficou conhecida como Tyrsday, palavra que em inglês deu origem à Tuesday ( terça-feira ). Ele é considerado o mais corajoso dos deuses. O mito diz que eTyr perdeu uma das mãos na luta contra o lobo Fenrir, um dos seguidores de Loki. Conta a Saga que segundo as profecias dos oráculos (Runas) o grande lobo pretendia devorar o próprio Odin. Os deuses decidem, então, que Fenrir deve ficar acorrentado. Fenrir, então, propõe que enquanto os deuses o amarram, um deles deverá deixar a mão dentro de sua boca como prova de sinceridade. O único que teve coragem foi Tyr, que põe sua mão direita entre as mandíbulas do monstruoso lobo. Furioso, Fenrir decepa a mão do deus da guerra.

NJORD
Njord deus do Panteão Vanir, dos Mares, dos ventos e da fertilidade. Casado com a Deusa Skadi, pai de Freya, a deusa do amor e de Freyr, o deus da fertilidade. Por se tratar do deus dos mares foi uma divindade muito cultuada entre os Vikings. É o protetor dos pescadores e dos caçadores que, em sua honra, construiam pequenos altares nas falésias e nas florestas, onde depositavam parte do que conseguiam pescar ou caçar. Njord era também a representação da figura paterna do Vanir, ele é aquele que concede as riquezas e um corajoso guerreiro, apesar disso, era visto como um deus pacífico. Njord era um dos principais deuses da tribo dos Vanir e membro honorário dos Aesir, tendo sido enviado a eles durante a guerra, junto com seus filhos, Freyr e Freya, para promover a paz entre as tribos. Não se conhece o nome da mãe de Freyr e Freya, é provavelmente a irmã de Njord, Nerthus. Njord foi particularmente associado com a riqueza e fertilidade. Havia uma saudação muito antiga entre os povos nórdicos que dizia: "Que tu sejas tão rico quanto Njord". Seu palácio em Asgard chama-se Noatun.

FREYR
Filho de Njord e Skadi, irmão de Freya, é um deus da fertilidade, o soberano do reino dos Elfos de Luz (duendes) responsáveis pelo crescimento da vegetação. A sua principal característica é o seu pênis ereto, e é o equivalente setentrional, mais próximo do Deus Cernnunos ( Wicca ). Freyr é o deus protetor da Suécia e da Islândia. O mais importante entre os deuses da fertilidade. Ele controla o brilho do sol e a precipitação da chuva; propiciando a fertilidade da terra; trazendo paz e prosperidade para os homens. Freyr é casado com Gerd. Originalmente Freyr era um Vanir, mas foi aceito entre os Aesir depois da guerra entre as duas raças de deuses. Freyr tem como tesouros o navio mágico Skidbladnir, feito pelos anões, que pode ser dobrado e colocado no bolso; um elmo de ouro cujo timbre é um javali, Gullinbursti; e o seu cavalo Blodighofi (Casco Sangrento) que não teme o fogo. Freyr tinha também uma espada mágica que movia-se sozinha, desferindo golpes, mas ele a perdeu durante uma batalha contra os gigantes.

FREYA
Deusa do Amor, da Magia e da Morte, filha de Njord e irmã de Freyr, é a mais importante das deusas da fertilidade. É considerada a maior entre as Deusas do Ásatrú, superando até mesmo Frigga. Freya também é uma Duende e viaja numa carruagem puxada por dois gatos. Compartilhou com Odin a morte em batalha, recebendo o primeiro golpe. Como Odin, ela também está ligada ao mundo dos mortos e, sempre que o visita, volta de lá com o poder de desvendar o futuro. Freya era celebrada nas sextas-feiras, por isso este dia era chamado de Freyasday, o que deu origem ao nome de um dos dias da semana, em inglês: Friday (sexta-feira). Seu palácio em Asgard chama-se Sessrumir. Ela foi esposa de Odin, que a trocou por Frigga porque achou que ela gostava mais de enfeites do que dele. Conta a saga que Freya insiste para que quatro anões lhe vendam o Colar Brisingamen, eles aceitam desde que o preço seja que ela durma com cada um deles, ela concorda. A beleza e a vaidade de Freya são legendárias. Os gigantes também a cobiçavam, outra saga conta que Thrym rouba o martelo de Thor e diz que só o devolveria se Freya lhe fosse dada em resgate.

HEIMDAL
É o deu guardião da ponte do arco-íris (Bifrost), que conduz a Asgard. O seu palácio em Asgard chama-se Himinbjorg (Penhascos do Céu). Apesar de ser um deus importante, a sua origem é um tanto obscura. Consta que ele é filho de nove donzelas, as nove ondas, filhas de Aegir. Heimdall é o Deus da Luz, chamado de Deus Reluzente dos Dentes de Ouro. Heimdall tem os sentidos altamente aguçados: segundo consta, ele pode ver até cem milhas de dia ou de noite; pode ouvir a relva a crescer no chão e a lã a crescer no dorso de uma ovelha; além disso, o tempo de sono de um passarinho é o suficiente para ele. Com estas características, nada mais lógico do que os deuses o escolhessem para ser o guardião de Asgard. Heimdall possui uma grande trompa chamada Gjallanhorn que ele soará no Ragnarok para convocar os deuses para a batalha final. Heimdall é o maior inimigo de Loki - por ser considerado o Deus da Luz, pode-se imaginar suas desavenças com Loki como sendo a luta entre luz e trevas. Os dois se enfrentarão no Ragnarok e um exterminará o outro.

NORNES
As três Deusas do destino: Urd, Verdani e Skuld, são três deusas irmãs também conhecidas por: "as velhas fiandeiras" ou "Senhoras do Destino". As nornes também são as guardiãs da Yggdrasil, a árvore do mundo, que sustenta a Terra. Elas mantém guarda junto ao Poço de Urd, na base da primeira raiz de Yggdrasill, a que mergulha em Asgard. Todas as manhãs elas fazem chover hidromel sobre suas raízes, para que as folhas permaneçam verdes. São representadas pela virgem, a mãe e a anciã. Urd é muito velha e vive olhando para trás, ( passado ) por sobre os ombros. Verdani é uma jovem e olha sempre para a frente ( presente ) e finalmente Skuld, vive encapuçada e possui um pergaminho fechado sobre seu regaço, que contém os segredos do futuro. Tanto os mortais quanto os deuses estão submetidos ao poder das Nornas. Elas também são consideradas profetizas, ou videntes e eram muito procuradas pelos Aesir, mas na verdade as Nornes são as deusas, que tecem os fios do destino de todas as criaturas nos nove mundos. As Nornes não estão subordinadas, elas seguem a determinação de uma força maior chamada Orlög, que engloba todo o universo.

IDUN
Deusa Aesir da saúde e da poesia, esposa de Bragi. Ela tinha a função de alimentar os outros deuses com suas maçãs douradas. Ela era a personificação da juventude eterna, pois suas maçãs davam juventude e beleza a todos que as saboreassem, além de se multiplicarem magicamente. Pelo poder mágico que possuía, a fruta começou a despertar muito interesse, mas Idun as trancavam em seu cofre mágico. Por conta dos poderes das maçãs, Idun foi raptada. Loki ajudou o gigante Thiazi a enganar a deusa. O vilão Loki disse a Idun que havia encontrado um bosque com maçãs melhores e convidou-a para vê-lo. Inocente, a deusa foi até o bosque onde Thiazi a esperava escondido entre as árvores. Com Idun raptada, os deuses começaram a se organizar para salvar a vida dela, pois eles também precisavam das maçãs já que não eram imortais. Ao se reunirem, descobriram que a deusa foi vista pela última vez com Loki. Quando foi interrogado ele confirmou que ela foi raptada e os deuses o ameçaram com tortura e morte caso não conseguisse trazê-la de volta. Loki então pede a deusa Frigga suas vestes de falcão e voa até a casa do gigante Thiazi. Lá, encontra Idun sozinha, possibilitando que ele a leve de volta à Asgard.

MIMIR
Gigante, guardião da Fonte da Sabedoria e amigo de Odin. Mimir era considerado o membro mais sábio dentre o grupo de deuses conhecidos como Aesir. Serviu como o guardião da Mimisbrunnr, o poço do conhecimento localizada na base da árvore-mundo (Yggdrasill ). Ao final da guerra entre os Aesir e os Vanir, os deuses firmaram uma trégua, que seria selada com a troca de lideres entre os dois clãs, onde Mimir e o irmão de Odin, Hoenir, foram entregues aos Vanir. Hoenir era tido como um líder nato, porém sempre consultava o sábio Mimir antes de tomar qualquer decisão. Os Vanir sentiram-se enganados pelos Aesir, e enfurecidos, acabaram cortando a cabeça de Mimir e enviando-a de volta para Odin, o pai dos deuses. Odin embalsamou a cabeça de Mimir e a colocou na fonte de Yggdrasil. Utilizando seus conhecimentos rúnicos, Odin conseguiu fazer com que a cabeça falasse e dessa forma passou a utilizar a cabeça como meio de adquirir mais sabedoria. O poço do conhecimento surgiu a partir do local onde a cabeça de Mimir foi mantida. Buscando sabedoria, Odin cavalgou até o poço para beber de suas águas. No entanto, Mimir lhe permitiu fazê-lo apenas depois de Odin deixar um de seus olhos no poço.

AEGIR
Aegir deus dos mares e oceanos, comandante das criaturas aquáticas e dos Jotun marinhos, os Fjortun. É um deus Vanir do panteão nórdico ligado a natureza, ao mesmo tempo cultuado e temido pelos marinheiros, pois estes acreditavam que Aegir aparecia de vez em quando na superfície para tomar a carga, homens e navios e levá-los para seu palácio no fundo do oceano. Por isso muitas vezes sacrificavam prisioneiros para apaziguá-lo, antes de começar a velejar. Aegir também é conhecido pelo entretenimento generoso que ele providenciava aos outros deuses. Sua esposa era a deusa Ran com quem ele teve nove filhas (as donzelas das ondas), que vestiam mantos e véus brancos. Tinha dois servidores fiéis: Eldir e Fimafeng, este último, morto pelo deus Loki durante um banquete realizado pelos deuses no salão submarino de Aegir próximo da ilha de Hler. Alguns estudiosos afirmam que Aegir não é um deus, nem Aesir e nem Vanir, mas sim um gigante amistoso aos deuses, assim como sua esposa Ran e suas filhas, as Wave Nikr (nove ondas). Ele está mais associado à regência das viagens marítimas e coisas mundanas, do que à essência do mar, do oceano e do princípio da água, pois estes já são regidos por Njord.

VALKYRIAS
São entidades femininas que aparecem para os guerreiros que estão prestes a morrer. Apenas estes podem vê-las, para os demais elas são invisíveis. Elas têm a missão de conduzir os mortos até Walhalla ou Hel. Algumas fontes dizem que elas são filhas de Odin. São nove as Valquírias: Gerhilde, Helmwige, Ortlinde, Waltraute, Rossweisse, Siegrune, Grimgerde, Schwertleite e Brünnhilde. Brünnhilde é a principal delas e a favorita de Odin. As Valquírias são representadas como guerreiras usando capacetes e portando lanças, que cavalgam pelos céus sobre os campos de batalha recolhendo os guerreiros que morrem heroicamente e levando-os para Valhalla. Lá, eles aguardarão a chegada do Ragnarok, quando combaterão ao lado de Odin. Assim, Odin vai formando um exército composto apenas de heróis destemidos. Em "Die Walküre," a segunda ópera da esplêndida tetralogia de Richard Wagner "Der Ring des Nibelungen," as Valquírias aparecem como tema central e Brünnhilde (uma das valkyrias) tem papel preponderante nesta e nas duas óperas seguintes que formam o ciclo das quatro óperas.

DVALIN
É o soberano dos anões, além de ser o Deus do mundo subterrâneo. Dvalin é um dos quatro anões que fizeram o Brisingamen (colar mágico) para a deusa Freya. Os outros três são AlFrigga, Berling, e Grerr. Dvalin, na mitologia nórdica, é um anão que é mencionado em vários contos e kennings nórdicos. O seu nome é várias vezes mencionado tanto na Edda Poética quanto na Edda em Prosa de Snorri Sturluson, onde ele é dito como sendo o soberano dos anões, e todos os anões são seus descendentes e de suas filhas, pois na Völuspá (“A Profecia da Vidente”) da Edda Poética é dito que os anões são o povo de Lofar, e sendo Dvalin descendente deste, são portanto os anões seus descendentes. Os anões são pequenas criaturas deformadas que surgiram a partir das larvas formadas no corpo morto do gigante Ymir. Eles vivem sob o solo no mundo da Nidavellir, também conhecido como "a casa dos anões". Os anões são ótimos no trabalho de ourivesaria e artesanal com metais em geral, amam os metais raros e guardam muitos tesouros.

DAIN
O Soberano dos Elfos de luz. Elfos são belas criaturas, comparados aos "anjos da guarda" e aparecem com frequência na literatura medieval europeia. Elfo é uma criatura mística da Mitologia Nórdica e Céltica, que viviam em Alfheim, a terra dos Elfos. Nesta mitologia os elfos chamam-se Alfs ou Alfr, também chamados de Ljosalfr "elfos da luz". São descritos como seres belos e luminosos, ou ainda seres semi-divinos, mágicos, semelhantes à imagem literária das fadas ou das ninfas. De fato, a palavra "Sol" na língua nórdica era Alfrothul, ou seja: o Raio Élfico; dizia-se que por isso seus raios seriam fatais aos elfos escuros e anões. Os elfos são geralmente mostrados como jovens de grande beleza vivendo entre as florestas, sob a terra, em fontes e outros locais da natureza. Foram retratados como seres sensíveis, de longa vida ou imortalidade, com poderes mágicos, grande ligação com a natureza e geralmente considerados como ótimos arqueiros, sua precisão com arco e flecha era impressionante. Os elfos são deuses protetores da natureza e da fertilidade; que tanto podem ajudar como atrapalhar os seres humanos, com os seus conhecimentos e poderes mágicos.

RITUAIS ÁSATRÚ
Blot
É o ritual religioso mais comum; é um sacrifício para os Deuses. Nos velhos dias, como na maioria das antigas religiões, um animal era consagrado para as deidades e depois morto. Não era um tipo de suborno ou um método de capturar o poder do animal morrendo. Era uma forma simples em que os antigos Nórdicos retribuiam sua fartura com um presente aos Deuses. Atualmente, o sacrifício animal foi substituído por outras oferendas como cerveja, suco ou hidromel. No encerramento, todos os presentes são borrifados com o liquido, ou bebida.

Sumbel
É uma celebração do ato de beber ritualmente, em que um chifre é preenchido com uma bebida e passado pelo grupo. Cada pessoa faz um brinde aos Deuses, narra uma estória, canta uma canção ou recita um poema em homenagem à antigos heróis ou ancestrais e então bebe do chifre.

Profissão ou Adoção
Assim como os Católicos têm o rito de profissão de fé que é chamado de Crisma, e os Judeus o seu Bar Mitzva, uma pessoa só passa a ser formalmente considerada um Ásatrúar quando professa sua fé em um rito conhecido como "Profession Blot". É o ato de assumir um compromisso com o Ásatrú pela exclusão de quaisquer outros dogmas religiosos. Faz-se um juramento solene de aliança e parentesco com os Deuses de Asgard, os Aesir e Vanir e sua gente. É uma cerimonia simples usualmente feita na presença de um Gothi ou Gythia e o resto do Kindred, Hearth, ou Garth. O compromisso é tomado sob um anel de juramento ou outro objeto sagrado.

O Juramento
"Eu juro portar sempre a Bandeira do Corvo Aesgaardiana, seguir o caminho do Norte, agir sempre com honra e bravura, e ser sempre sincero e verdadeiro para os Aesires, Vanires e para o Ásatrú. Pelos Deuses eu assim juro. Por minha honra eu assim juro. Sob este Anel Sagrado eu assim juro."
Heill Asar ok Vanir !
(Salve os Aesir e Vanir!)

CALENDÁRIO ÁSATRÚ: ( Adaptado para o Hemisfério Sul )

9 de Janeiro - Morte de Raud o Forte.
Assassinado por Olaf o Gordo por negar-se a converter-se ao cristianismo.

9 de Fevereiro - Morte de Eyvind Kinnrifi.
Assassinado por Olaf o Gordo por negar-se a converter-se ao cristianismo.

28 de Março - Dia de Ragnar Lodbrok.

9 de Abril - Dia de Haokon Sigurdson o Grande.
Defensor da religião Ásatrú na Noruega.

9 de Maio - Gurod de Gudbrandsdal.
Assassinado por não converter-se ao cristianismo.

9 de Junho - Dia de Sigurd ( Sigfried ).

24 de Junho - Festa de Vali. ( Festival da Família )

25 de Junho - YÜLE ( WEIHNACHTEN ) A festa mais sagrada.

9 de Julho - Dia de Unn a de Mente Profunda.

19 de Julho - WINTERNIGHTS ( Noites de Inverno )
 •  Fim da colheita ).
 •  Benção dos Elfos e FREY.
 •  Morte de Olaf o Gordo.

24 de Julho - THORRABLOT ( Assembléia dos Deuses )
Benção do trabalho para o ano todo.

9 de Agosto - Dia do Rei Radbod da Frisia.
Por se negar a converter-se ao cristianismo.

9 de Setembro - Dia de Hermann o Cheruscan.
Personalização da liberdade germânica.

12 de Outubro - Dia de Leif Eriksson e sua irmã Freydis Eriksdottir.
Homenagem aos primeiros nórdicos que se assentaram na América.

28 de Outubro - Dia de Erik o Ruivo.

01 de Novembro - NOITE DE WALBURG ( Valpurgisnatch )
Principio do Verão.

9 de Novembro - Dia do Reinado de Sigrid da Suécia.
Aquele que organizou o complô para fazer cair a Olaf.

9 de Dezembro - Dia de Egill Skallagrimsson, poeta, guerreiro e Mago das Runas.
 •  OSTARA Entre o equinócio de Primavera e a primeira lua cheia seguinte.
 •  Benção da Vitória.
 •  Festa do Despertar.

21 de Dezembro ( data aproximada ) - Miðsommar, festival em comemoração do Solsticio de Verão.

Heill Innun Raudha þórR !
(Salve Thor, o Vermelho !)

Se você gostou do que leu neste artigo, venha conhecer um pouco mais sobre a Cultura Nórdica participando do nosso CURSO DE RUNAS.

Data: Ver agenda na página principal.
Local: MAGIA DOURADA ESPAÇO ESOTÉRICO
Rua Apinajés, 1053 - Sala 2 (Perdizes) - São Paulo - SP.
Facilitador: Professor Carlos Roberto

Curso Apostilado / Certficado.

Para mais informações e Inscrições ligue: DDD(11) 4324-0343 / 3976-5711

Professor Carlos Roberto
Assuntos relacionados

 • HOME • RUNAS • WICCA • EGITO • QUIROMANCIA • INTUIÇÃO • XAMANISMO • 

DESEJAMOS E OFERECEMOS PAZ AOS POVOS DA TERRA